terça-feira, 24 de março de 2015


A paixão de Cristo é a narrativa do calvário de Jesus desde o momento em que ele é preso no Monte das Oliveiras, após a realização da última ceia com os apóstolos, até a sua morte na cruz. Na mesma noite em que é preso sob ordem de Caifás, o sumo sacerdote e maior autoridade do povo judeu, Ele é julgado de forma sumária pelo Sinédrio, conselho dos anciões e suprema corte judaica. Acusado de blasfemo por se apresentar como o Rei de Israel, Jesus é condenado à morte. Como a região da Judéia estava sob domínio do Império Romano, caberia a Pôncio Pilatos, autoridade máxima romana na região, aplicar a punição. Pilatos ofereceu a possibilidade de suspensão da condenação de Jesus, mas a multidão que estava no local incitada pelos sacerdotes preferiu que a liberdade fosse dada a Barrabás, um ladrão e assassino também condenado à morte.

A partir da sentença proferida de forma definitiva por Pilatos, Jesus teria passado pelos flagelos que os romanos impunham aos condenados. Entre eles, ser açoitado pelo flagellum taxillatum (espécie de chicote com três ramais que terminavam em bolas de metal com relevos e unidas por arame) e carregar até o local da crucificação a trave horizontal da cruz. A paixão de Cristo é principalmente essa passagem das últimas horas da vida de Jesus, da última ceia até a sua morte na cruz, quando seu sofrimento teria sido uma prova de sua doação total e incondicional para redimir os pecados da humanidade, segundo os preceitos da Igreja Católica.

"Libertou então Barrabás, mandou açoitar Jesus e lho entregou para ser crucificado. Os soldados do governador conduziram Jesus para o pretório e rodearam-no com todo o pelotão. Arrancaram-lhe as vestes e colocaram-lhe um manto escarlate. Depois, trançaram uma coroa de espinhos, meteram-lha na cabeça e puseram-lhe na mão uma vara. Dobrando os joelhos diante dele, diziam com escárnio: Salve, rei dos judeus! Cuspiam-lhe no rosto e, tomando da vara, davam-lhe golpes na cabeça. Depois de escarnecerem dele, tiraram-lhe o manto e entregaram-lhe as vestes. Em seguida, levaram-no para o crucificar. Saindo, encontraram um homem de Cirene, chamado Simão, a quem obrigaram a levar a cruz de Jesus. Chegaram ao lugar chamado Gólgota, isto é, lugar do crânio. Deram-lhe de beber vinho misturado com fel. Ele provou, mas se recusou a beber. Depois de o haverem crucificado, dividiram suas vestes entre si, tirando a sorte. Cumpriu-se assim a profecia do profeta: Repartiram entre si minhas vestes e sobre meu manto lançaram a sorte (Sl 21,19). Sentaram-se e montaram guarda. Por cima de sua cabeça penduraram um escrito trazendo o motivo de sua crucificação: Este é Jesus, o rei dos judeus" (São Mateus 27,26-37).

Fonte: www.cancaonova.com


domingo, 1 de março de 2015

O apego às coisas materiais, naturalmente, evidencia os desejos dos homens por posses e domínio sobre os semelhantes, e, consequentemente, prova as imperfeições imprimindo o gosto amargo do egoísmo que passa a tomar conta do coração humano. 

Os apegos ou apetites, como observa o místico São João da Cruz, cansam, atormentam, obscurecem, mancham e enfraquecema alma. 

Para deixar esta imperfeição e deformidade, o desapego aos bens temporais – proposta pelo santo em questão – que parece-me, num primeiro olhar, algo impossível, de outro mundo, é alternativa interessante para poder alcançar um bem maior: a riqueza de que o homem pode usufruir é a saúde da alma e do espírito, pois estando em Deus está bem, e tendo em conta que – estando bem – propiciará a estabilidade corporal, isto é, a saúde do corpo.

Quando há desprendimento do culto a si mesmo e das coisas, do ativismo da sociedade idólatra, da qual somos parte, da celeridade do mundo, do mercado que visa lucro e vantagens, que alimenta a compulsão por compras e aquisições megalômanas, além do individualismo e do sucesso a qualquer preço, há chances de encontrar a estrada para a paz verdadeira e uma vida plena de sentido, livre das arbitrariedades que os apegos imputam sobre todos, indistintamente. 

Trata-se de uma via estreita e árida – com muitas oscilações – que exige entrega e abandono à tutela do Criador.

Ao iniciar a vereda espiritual em busca da humildade e plenitude da alma, o homem precisa da graça e da misericórdia do Céu ara não desistir de se levantar toda vez que tropeçar na raiz do orgulho – vício dominante na natureza humana.

Para cumprir o exigente percurso, recomenda-se entendimento da essência, das fraquezas a que todos estão sujeitos, e compreensão das consequências provocadas por caprichos – quereres, desejos e vontade – a fim de que os exercícios espirituais durante a Quaresma possam, de fato, pelo esforço e empenho, levar aquele que os pratica a renunciar ao "homem velho", para revestir-se do Novo.

Que este seja mesmo um período profícuo para as devidas reflexões e restauração da alma, do espírito e do corpo!

www.catequisar.com.br


sábado, 28 de fevereiro de 2015

Quaresma é o período de 40 dias de penitência que precedem a festa da Ressurreição de Nosso Senhor Jesus Cristo.

Como 40 dias se, contando, medeiam 46 entre a Quarta-feira de Cinzas e a Páscoa? Simplesmente porque os domingos não podem ser dias de penitência, de modo que são excluídos da contagem. Cada domingo é uma pequena Páscoa, "dia em que, por tradição apostólica, celebra-se o mistério pascal" (cânon 1.246 do Código de Direito Canônico), devendo ser evitada qualquer atitude que exprima tristeza. Assim, descontados os domingos entre a Quarta-feira de Cinzas e a Páscoa da Ressurreição medeiam 40 dias.

Segundo São Roberto Belarmino e Cornélio a Lápide, foram os próprios apóstolos quem instituíram a Quaresma, para nos prepararmos dignamente a fim de celebrar a Ressurreição de Nosso Senhor Jesus Cristo, a máxima festa do Cristianismo. 

Os 40 dias da observância quaresmal são carregados de simbolismo. 40 dias e 40 noites Nosso Senhor passou em rigoroso jejum no deserto (cf. Mt 4,1-2; Mc 1,12-13; Lc 4,1-2). Também por 40 anos o povo de Israel errou pelo deserto, antes de entrar na Terra Prometida (cf. Dt 8,2). 40 é o número das virtudes cardeais (quatro: castidade, paciência, justiça e prudência) e dos evangelistas, multiplicado pelo número dos Dez Mandamentos. A Quaresma é, finalmente, um grande símbolo de nossa vida terrena que, no fim das contas, não passa de uma preparação para a nossa própria Páscoa – «Memento, homo, quia pulvis es, et in pulverem reverteris» (Gn 3,19): "Lembra-te, homem, que és pó, e em pó te hás de tornar".

Assim, a Quaresma é um tempo favorável à prática penitencial da Igreja. Conforme ensina o Catecismo da Igreja Católica (CIC), «esses tempos são particularmente apropriados aos exercícios espirituais, às liturgias penitenciais, às peregrinações em sinal de penitência, às privações voluntárias como o jejum e à esmola, à partilha fraterna (obras de caridade e missionárias)» (CIC, número 1.438). É um tempo de renascimento espiritual e de renovação na fé, no qual se pede aos fiéis maior interesse pelas coisas divinas, uma frequência mais assídua à Santa Missa e aos ofícios litúrgicos, maior correção nas próprias ações e um treinamento no controle de suas próprias paixões e sentimentos.

Lamentavelmente, hoje em dia a palavra "penitência" provoca mal-estar em muita gente. Entretanto, se consultarmos os Evangelhos, veremos que Jesus começou a Sua pregação nos exortando à penitência: «Poenitentiam agite: appropinquavit enim Regnum caelorum» (Mt 4,17) – "Fazei penitência, porque está próximo o Reino dos céus". Rejeitar a penitência é rejeitar a pregação de Cristo desde o princípio.

A palavra "penitência" significa simultaneamente duas coisas que, embora distintas, estão indissociavelmente ligadas: uma virtude e um sacramento, a virtude da penitência e o sacramento da penitência. Sobre o sacramento da penitência e reconciliação, falaremos em outra oportunidade, se assim Deus o quiser. Pretendemos, hoje, dizer algumas palavras sobre a penitência como virtude, ilustrando o significado do tempo quaresmal.

Quando se fala de penitência, as pessoas logo imaginam práticas exteriores ou pior: coisas como autoflagelação, numa visão totalmente distorcida. Na verdade, a essência da penitência é interior e não se confunde com práticas exteriores como o jejum, a esmola e a mortificação. As práticas exteriores pouco ou nada valem sem a penitência interior. «Rasgai os vossos corações e não os vossos vestidos, convertei-vos ao Senhor vosso Deus, porque Ele é benigno e compassivo» (Jl 2,13). Tampouco a virtude da penitência pode ser confundida com um desejo mórbido de infligir sofrimento a si mesmo. 

A virtude da penitência é uma disposição moral que inclina o pecador a destruir e reparar os seus próprios pecados por constituírem ofensas a Deus. A penitência é uma dor espiritual, interior: é o sofrimento por haver pecado. É um querer não ter pecado, é um querer não ter querido o mal que se quis no passado. O pecado é um ato da vontade humana e só pode ser destruído por um novo ato da vontade que o revogue. É por isso que a virtude da penitência está indissociavelmente ligado ao sacramento de mesmo nome: a validade deste depende da sinceridade daquele. Mas não basta o arrependimento. 

A virtude da penitência exige também o propósito de reparar o mal cometido e de não mais tornar a pecar no futuro. Assim, a penitência se projeta nos sentidos do tempo: para o passado, o arrependimento; para o presente, a reparação; e para o futuro, o propósito de emenda. Os hereges protestantes pregam que não é necessário aos que se arrependem reparar o mal que fizeram no passado de sua vida. O fulano mata, rouba, estupra e acha que basta "aceitar Jesus" para ficar com a "ficha limpa". Por isso os protestantes escarnecem da necessidade de penitência. Ora, isso é uma distorção do Evangelho, pois é preciso reparar: quem roubava, deve restituir o que roubou; quem professava publicamente uma falsa doutrina, deve também se retratar em público. 

Tenhamos todos, então, uma boa e santa Quaresma. «Desde então começou Jesus a pregar e a dizer: "Fazei penitência, porque está próximo o Reino dos céus"» (Mt 4,17). E se está próximo, é porque não está distante: «O Senhor está perto de toda pessoa que o invoca» (Sl 144,18). 


Rodrigo R. Pedroso
www.catequisar.com.br


quarta-feira, 14 de janeiro de 2015


Neste próximo fim de semana será realizado na região de Itaquera o Incendeia 2015 e você não pode perder !



terça-feira, 30 de dezembro de 2014

COMECE 2015 OUVINDO A WEB RÁDIO NOVA VISÃO NO SEU CELULAR !!!

Basta baixar no Play Store o app IRádios e depois de instalado no campo pesquisa digitar Web Rádio Nova Visão, pronto agora é só curtir as melhores músicas católicas, rezar os terços conosco e em breve curtir as novas programações que estão sendo preparadas !!!

*ESTAMOS COM A GRADE DE PROGRAMAÇÃO ABERTA PARA OS GRUPOS E PASTORAIS QUE DESEJAM UTILIZAR + ESTA FERRAMENTA PARA EVANGELIZAR !!!

E-mail: radionovavisao@ymail.com
Blog do Testemunho: http://visaodefe.blogspot.com
Site: www.missaonovavisao.com.br

Missao Nova Visao Levando Luz "JESUS" onde se encontra escuridão !!!


N.Sra. das Graças

N.Sra. das Graças
Derramai todas as graças necessárias para nossas vidas !

Curta nossa Página !

Solidariedade

Tecnologia do Blogger.

CF2015

Missão Nova Visão, Levando LUZ onde se encontra escuridão !

COMPRE JÁ !

COMPRE JÁ !
CD Mesmo Olhar - Adriano do Nascimento

Receba Nossas Matérias !

Cadastre seu E-mail e Receba nossas Notícias e Novidades!


Nova Visão

Deixe um Recadinho

De Olho no Testemunho

De Olho na Dica - Filme

De Olho no Lançamento